Teoria das Cidades

Durante a Revolução Industrial, as péssimas condições das cidades contribuíram para que fossem criados modelos das mesmas, a fim de que houvesse mais organização dos centros urbanos. Aqui nesse texto, você, leitor, irá conhecer alguns dos mais famosos projetos, e suas principais ideias.

Um dos modelos mais conhecidos é o do arquiteto Frank Lloyd Wright, a Broadacre City: esse planejamento tinha como conceito a diluição da cidade no meio ambiente, com o intuito de descentralizar e abaixar a densidade ao máximo. Nesse modelo, a cidade seria cortada por estradas, que a dividiriam em terrenos de 1 acre, (4000 m²) por isso o nome da cidade (Broadacre City).

Esse planejamento daria uma aparência de ser uma cidade rural, só que com mais planejamento e organização. Confira a imagem a seguir.

(Vista área de como seria a cidade, por archdaily)

Do outro lado, com um diferente ponto de vista, estava o arquiteto Le Corbusier com a Ville Radiuse (Cidade Radiante).

Esse era um projeto que iria de confronto com as ideia de Frank Lloyd, pois, segundo o próprio Le Corbusier: “A cidade de hoje vem morrendo porque seu planejamento não está na proporção geométrica de um quarto. O resultado de um verdadeiro layout geométrico é a repetição, o resultado da repetição é um padrão. A forma perfeita

Para simplificar, nesse projeto, a cidade teria bastante simetria e padronização, além disso contaria com um sistema de transporte eficiente, bastante área verde e iluminação natural, ideias que influenciaram bastante as nossas cidades atualmente. Seu projeto tinha também como base a utilização de zoneamento da área urbana, a dividindo em áreas residenciais, comerciais, de negócios, e áreas de lazer, o que podemos ver que é um cenário comum hoje em dia: a cidade teria sua área de negócios no centro, com prédios altos e padronizados, já os prédios residências ficariam em volta dessa área, também todos padronizados e menores. Esses prédios seriam separados por uma grande área verde, que daria iluminação e conforto acústico para seus moradores.

Essa ideia lembra bastante a cidade de Brasília, com suas áreas administrativa no centro e as áreas comercias e residências bem setorizada, mesmo sendo um plano bem feito, esse tipo de cidade não costuma dar certo.

Maquete de uma cidade no estilo Ville Radiuse com escritórios ao centro, por Archdaily
Por Archdaily

E, por último, temos a Cidade Jardim, de Ebenezer Howard, inglês. Segundo o urbanista, tanto as cidades quanto o campo tinham suas qualidades e seus defeitos, o que servia de imã, atraindo as pessoas: enquanto a cidade era o espaço de socialização, das oportunidades e do trabalho, tinha também o excesso de população, a insalubridade, violência entre outros problemas. Já o campo, do outro lado da moeda, tinha a vida mais calma, mais saudável e era onde se produzia os alimentos, não tendo oportunidades de emprego, porém, para as pessoas. Então Howard decidiu juntar os dois cenários em um só, fazendo assim a Town-Country (Cidade-Campo), e com essa ideia, as pessoas poderiam utilizar o melhor dos dois lados.


Demonstração de como poderia ficar a Town-Country, com a cidade sendo rodeado pela área rural, por archdaily
Por Archdaily

Como a imagem acima mostra, Howard tinha a ideia de um sistema de cidades que fossem construídas umas próximas as outras, fazendo com que quando uma cidade chegasse ao seu limite populacional, outra cidade jardim seria construída próxima a ela, respeitando oespaço destinado para a área rural, o que faria com que as duas cidades jamais se encontrariam, comercializando através de linhas de trem.

Compartilhe em suas redes sociais!

Deixe um comentário